Pulverizar árvores de damasco - Quando pulverizar árvores de damasco no jardim


Por: Liz Baessler

Eles produzem lindas flores e frutas deliciosas. Quer você tenha um como peça central em sua paisagem ou um pomar inteiro, os damasqueiros são um verdadeiro trunfo. Infelizmente, eles também são muito propensos a doenças e infestações de pragas. Se você quer um damasco saudável, é essencial estar à frente do jogo, e isso significa manter um cronograma de pulverização rigoroso. Continue lendo para aprender mais sobre como pulverizar árvores de damasco contra pragas.

Pulverização de árvores de alperce para pragas

Você precisa pulverizar árvores de damasco? Basicamente, sim. As infestações de pragas podem devastar uma árvore ou um pomar inteiro, e a melhor maneira de lutar contra isso é cortá-la pela raiz. Quando você pulveriza árvores de damasco? Algumas vezes por ano, começando no inverno.

Antes que os botões da sua árvore comecem a inchar, borrife óleo dormente. Isso vai matar todos os ovos de inverno antes que eles tenham a chance de chocar e causar estragos. As pragas que hibernam incluem:

  • Pulgões
  • Ácaros
  • Mariposas
  • Balanças
  • Mealybugs
  • Lagartas de barraca

Quando você pulveriza árvores de damasco para doenças?

Pulverizar árvores de damasco para as pragas não para com a chegada da primavera. Exatamente no momento da abertura do botão, pulverize com um fungicida de cobre fixo para matar a podridão parda e fungos de buraco de tiro.

Pode ser necessário usar um spray ativo para árvores frutíferas de damasco durante a estação de crescimento, se você observar qualquer praga ou fungo. Se você pulverizar novamente durante a estação de crescimento, faça isso depois que as flores caírem - você não quer prejudicar as abelhas e outros insetos benéficos enquanto eles estão polinizando.

Além disso, antes de pulverizar, observe a situação de pragas local, pois você não deseja pulverizar para algo que pode não ter em sua área. E SEMPRE leia as instruções no rótulo antes de pulverizar. Siga as instruções do rótulo e nunca misture dois sprays diferentes, a menos que ambos os rótulos digam que é seguro.

Este artigo foi atualizado pela última vez em


Controle de pragas e doenças para árvores de damasco

À medida que cresce, uma árvore de damasco pode apresentar problemas como a presença de pragas ou doenças. Fatores como localização, clima e manutenção desempenham um papel importante nos problemas que sua árvore de damasco encontra e como ela os enfrenta. Os damascos resistentes a doenças são opções fáceis de cuidar para os produtores que preferem um pomar com pouca ou nenhuma borrifação e - para todas as árvores de damasco - a manutenção de rotina * pode ajudar a evitar a maioria dos problemas.

* Exemplos de boas práticas são: irrigação adequada, fertilização conforme necessário, poda sazonal, pulverização preventiva e ativa, limpeza de outono e proteção no inverno.

NOTA: Esta é a parte 7 de uma série de 11 artigos. Para obter um histórico completo sobre como cultivar árvores de damasco, recomendamos começar do início.

As informações a seguir destinam-se apenas a ser um meio de identificar possíveis problemas. Não se assuste - uma árvore de damasco pode experimentar alguns destes durante sua vida, mas certamente não todos de uma vez.

Pragas da árvore de damasco

Pulgões

Insetos minúsculos do tamanho de uma cabeça de alfinete, variando de cor dependendo do tipo. Se aglomeram nos caules e sob as folhas, sugando os sucos das plantas.

Sintomas: As folhas enrolam, engrossam, amarelam e morrem. Pulgões produzem grandes quantidades de um resíduo pegajoso chamado “melada” que atrai insetos como formigas. Honeydew torna-se um meio de crescimento para fungos fuliginosos.

  • GardenTech® Sevin® Concentrate Bug Killer

  • Bonide® All Seasons® Horticultural & Dormant Spray Oil
  • Óleo de Neem Bonide®

Brocas

Brocas de galho - Larvas marrons (larvas). Sondas de tronco - Larvas de cor creme com cabeças castanhas. Freqüentemente descoberto após a ocorrência de uma lesão no tronco.

Sintomas: As brocas hibernam, surgem na primavera e perfuram as pontas dos galhos. Lesões causam a morte de rebentos e resíduos de goma. As larvas entram na fruta mais tarde, durante a estação de crescimento. A praga não causa grandes danos à árvore, como fazem as brocas do tronco. As brocas de tronco causam uma substância espessa e pegajosa (seiva) que vaza de buracos redondos no tronco ou na virilha da árvore. Grubs túneis através de troncos e ferimentos prolongados enfraquecem e eventualmente matam a árvore. Difícil de controlar uma vez que os troncos estão infestados. Medidas de controle preventivo para evitar infestações são altamente recomendadas.

  • GardenTech® Sevin® Concentrate Bug Killer

  • Bonide® Captain Jack’s ™ Deadbug Brew

  • Use um fio fino para tentar amassar ou cavar larvas de broca.

Besouro japonês

Adulto é um besouro verde-metálico e marrom, que esqueletiza as folhas. As larvas são larvas de cor creme que se alimentam de raízes de grama antes da maturidade. O controle de pragas do gramado pode ajudar a reduzir as populações de larvas. Verifique os rótulos dos produtos da grama para verificar o tempo e o controle das larvas As armadilhas são uma opção para atrair besouros adultos.

Sintomas: Os adultos são freqüentemente vistos em grupos - grandes infestações podem causar crescimento atrofiado e estresse ao esqueletizar a maioria das folhas.

  • GardenTech® Sevin® Concentrate Bug Killer

  • Bonide® Captain Jack’s ™ Deadbug Brew

  • Se a infestação for mínima, coloque os besouros japoneses em uma jarra de solução de água com sabão (eles ficarão imóveis quando assustados como mecanismo de defesa)

Leafroller

Vermes amarelos ou verdes pálidos.

Sintomas: As folhas são enroladas e membranosas juntas, onde as larvas se alimentam. A folhagem eventualmente se torna esqueletizada com a exposição prolongada à alimentação.

  • GardenTech® Sevin® Concentrate Bug Killer

  • Bonide® All Seasons® Horticultural & Dormant Spray Oil
  • Bonide® Captain Jack’s ™ Deadbug Brew
  • Óleo de Neem Bonide®

Ácaros

Artrópodes de tamanho exato, aparecendo em muitas cores diferentes, dependendo do tipo. Freqüentemente encontrado na parte inferior das folhas.

Sintomas: A alimentação de seiva causa uma aparência de bronze nas folhas. Infestações graves exibem alguma teia de seda. Secas ou períodos de seca são vantajosos para infestações de ácaros.

  • GardenTech® Sevin® Concentrate Bug Killer

  • Bonide® All Seasons® Horticultural & Dormant Spray Oil
  • Óleo de Neem Bonide®

Mariposa da Fruta Oriental

Mariposa cinza, 1/2 polegada de comprimento. As larvas são brancas a creme com uma cabeça marrom ou preta, 1/2 polegada de comprimento. Apenas uma ligeira diferença na aparência das larvas da traça Codling.

Sintomas: As larvas se desenvolvem em galhos tenros de crescimento rápido na primavera e no verão. O dano é semelhante ao de Twig Borers. Dieback característico de pontas de membros infestadas. A infestação precoce de frutos por larvas resulta na queda dos frutos. A infestação de frutas jovens é acompanhada por orifícios de entrada e substância pegajosa escorrendo da fruta. A infestação de frutas maduras é acompanhada por uma entrada imperceptível na extremidade do caule e um túnel através da polpa da fruta e ao redor do caroço. As armadilhas são uma opção para atrair mariposas adultas.

  • Bonide® All Seasons® Horticultural & Dormant Spray Oil

Ameixa curculio

O adulto é cinza-acastanhado, besouro de casca dura de 1/5 de polegada de comprimento, focinho longo e 4 corcovas nas costas.

Sintomas: Corta um buraco em forma de meia-lua nas cascas das frutas e põe os ovos dentro. Larvas eclodem e túneis dentro das frutas. Frutas podem cair prematuramente ou ter larvas / vermes ou túneis dentro na colheita.

  • Fruta fina com cicatrizes em forma de crescente assim que aparece
  • Remova a fruta caída assim que parecer para evitar a reinfestação

Escala

Geralmente na casca de galhos e galhos jovens, incrustados com pequenas saliências (1/16 polegadas) duras, circulares e escamosas com centros amarelos. Também pode ser em frutas.

Sintomas: A alimentação de seiva enfraquece a árvore.

  • GardenTech® Sevin® Concentrate Bug Killer

  • Bonide® All Seasons® Horticultural & Dormant Spray Oil
  • Óleo de Neem Bonide®

Tenda Lagarta

Os adultos são mariposas. As lagartas são castanho-acinzentadas, peludas, com manchas ou listras de cor creme nas costas.

Sintomas: Envolve grandes áreas em teia e alimenta-se de folhas fechadas.

  • Remova as teias com um ancinho (as lagartas são removidas com teias) e queime

  • Bonide® All Seasons® Horticultural & Dormant Spray Oil
  • Bonide® Captain Jack’s ™ Deadbug Brew

Thrips

Insetos minúsculos e delgados de asas franjadas que variam de 1/25 a 1/8 de polegada de comprimento. As ninfas são amarelo-claras e altamente ativas. Os adultos são geralmente pretos ou marrom-amarelados, mas podem ter manchas vermelhas, pretas ou brancas.

Sintomas: A alimentação ocorre na vegetação perfurando e sugando o conteúdo, fazendo com que a aparência seja deformada ou descolorida (semelhante ao dano causado por ácaros e percevejos).

  • Bonide® Citrus, Fruit & Nut Orchard Spray
  • Sabonete Inseticida Bonide®

Doenças da árvore de damasco

Canker Bacteriano

Causado por Pseudomonas Syringae - uma bactéria que se espalha por respingos de chuva ou irrigação. O clima frio e úmido e as geadas tardias após a floração favorecem o desenvolvimento de doenças.

Sintomas: Aparece nos galhos e no tronco como cânceres de goma e áreas encharcadas de água na primavera. No verão, as manchas marrons das folhas transformam-se em espinhas na folhagem. A fruta desenvolve áreas escuras, profundamente fundas e com cheiro azedo, tornando-as mais suscetíveis à podridão parda.

  • Podar os membros de volta ao tecido saudável (abaixo do cancro). Desinfete a tesoura entre os cortes com lenços embebidos em álcool ou uma solução de uma parte de alvejante e dez partes de água.
  • Remova e destrua os resíduos de poda (não aplique cobertura morta)
  • Corte cuidadosamente todas as áreas com cancro
  • Considere pintar o local de poda com um curativo para feridas em árvore para proteger contra a reinfecção

  • Plante árvores resistentes a doenças sempre que possível. Evite porta-enxertos suscetíveis (ameixa). Lovell (pêssego) é resistente.
  • Mantenha as árvores saudáveis ​​e com crescimento vigoroso (por meio de poda e manutenção do solo) para reduzir a suscetibilidade
  • Teste o solo para deficiências de nutrientes e alimente conforme necessário com aditivos de solo, particularmente nitrogênio
  • Teste de solo para nematóides em anel em áreas suscetíveis ao cancro (estresse de nematóides em anel e enfraquecimento das árvores de damasco, deixando-as suscetíveis ao cancro)
  • Evite plantar onde os nematóides anelares estão, ou onde as árvores infectadas com cancro anteriormente estavam
  • A poda no final do verão, quando os tecidos são resistentes à recontaminação por doenças, ao contrário da poda típica de inverno / início da primavera

  • Entre em contato com a extensão cooperativa do condado local para obter mais conselhos (especialmente em relação a testes de solo, tratamento e replantio).

Mancha Bacteriana da Folha

Causado por Xanthomonas campestris - uma bactéria que se espalha por respingos de chuva e favorece temperaturas amenas a altas. Também conhecido pelos nomes de bacteriose, mancha preta e shothole.

Sintomas: Inicialmente difícil diferenciar sintomas de deficiência de nutrientes (nitrogênio) e lesões químicas (spray). Manchas aparecem nas frutas, folhas e galhos - incluindo cancro. Manchas arroxeadas, pretas ou marrons aparecem na parte inferior das folhas. Freqüentemente, as manchas caem, deixando pequenos buracos na folhagem, daí o nome shothole. Os buracos terão um halo vermelho ao redor deles. As folhas podem ficar amarelas e cair. A fruta infectada apresenta manchas, áreas afundadas e resíduos de goma escorrendo. Conforme a fruta continua a crescer, as manchas se tornam rachaduras. A probabilidade de queda de frutas induzida por doenças é alta. A desfolha severa afeta o tamanho dos frutos, causa escaldadura e estressa as árvores durante o inverno. As aftas se desenvolvem lentamente (às vezes ao longo de vários anos se não forem tratadas), tornando-se maiores e mais profundas. Deforma pequenos galhos, dando-lhes uma aparência nodosa, e os enfraquece, causando quebras, rasgos ou morte.

  • Cultive variedades resistentes, se possível, e mantenha um local de cultivo limpo e bem cuidado
  • Remova frutas infectadas e resíduos de poda do local de plantio

  • Devido às sensibilidades, não use sprays em damasqueiros que não sejam recomendados para controlar manchas bacterianas e não se destinem especificamente ao uso em damascos.
  • Entre em contato com a extensão cooperativa do condado local para obter mais conselhos sobre o controle químico seguro para damasco recomendado para sua localidade.

Podridão parda

Causado por Monilinia fructicola - um fungo que se espalha pelo vento, respingos de chuva e favorece o clima quente e úmido (normalmente durante o período de floração). Overwinters em frutas mumificadas, tanto nos galhos ou no solo ao redor do local de plantio. O fungo também é produzido em cânceres em membros infectados para reinfecção em climas favoráveis.

Sintomas: Afeta flores, galhos, folhagens e, especialmente, frutas da maioria das árvores frutíferas com caroço (Prunus). As flores irão dourar e murchar. A folhagem se apresenta com uma aparência estragada. Cankers podem aparecer em galhos. A fruta fica acastanhada com manchas mais claras. As frutas apodrecem rapidamente, desenvolvendo um cheiro azedo e aparecem esporos cinza / marrom difusos. A fruta infectada mumifica e pode cair ou ficar pendurada na árvore se não for removida.

  • Bonide® Captan Fruit & Ornamental
  • Fungicida Bonide® Fung-onil ™

  • Cultive variedades resistentes, se possível, e mantenha um local de cultivo limpo e bem cuidado
  • Remova e destrua frutas infectadas (mumificadas) e restos de poda do local de plantio

  • Ameixa seca para manter a copa das árvores aberta à luz e à circulação de ar, o que reduz naturalmente o risco de infecção fúngica
  • Cachos de frutas finos para reduzir o risco de desenvolvimento de doenças entre frutas que estão tocando
  • Remova manualmente as frutas infectadas assim que parecer reduzir a disseminação da doença, pois a podridão marrom pode causar a decomposição completa das frutas em até 2 dias

Mancha de Coryneum (Buraco de Disparo)

Causado por Wilsonomyces carpophilus - um fungo que se espalha pelo vento, respingos de chuva e favorece o clima sempre úmido de frio a quente (normalmente na divisão da casca no início da primavera). Overwinters em galhos e botões infectados.

Sintomas: Pequenos pontos roxos-avermelhados aparecem nas folhas novas e nos galhos. Manchas nas folhas podem apresentar pequenas manchas escuras no centro da lesão. As manchas aumentam, eventualmente caindo da lâmina da folha, deixando uma aparência de shothole. Os botões infectados podem ser mortos com mais facilidade no inverno. Aparece nos frutos, geralmente agrupados como manchas marrons claras ou lesões com margens roxas escuras. A fruta desenvolve uma textura áspera, seca e cortiça.

  • Fungicida Bonide® Fung-onil ™

  • Cultive variedades resistentes, se possível, e mantenha um local de cultivo limpo e bem cuidado
  • Remova os galhos infectados, especialmente aqueles que são mais fáceis de encontrar durante a estação de dormência
  • Remova e destrua frutas infectadas e detritos de poda do local de plantio

  • Ameixa seca para manter a copa das árvores aberta à luz e à circulação de ar, o que reduz naturalmente o risco de infecção fúngica
  • Evite a rega aérea e considere a irrigação por gotejamento ao nível do solo

Crown Gall

Causado por Agrobacterium tumefaciens - uma bactéria que pode persistir sem sintomas óbvios de árvore por muitos anos.

Sintomas: As árvores parecem atrofiadas e as folhas de crescimento lento podem ter seu tamanho reduzido. Em árvores maduras e frutíferas, pode haver poucos ou nenhum fruto. Aparecem crescimentos lenhosos, semelhantes a tumor, chamados de galhas, especialmente na coroa (nível do solo). Se a árvore morreu, inspecione as raízes em busca de tumores duros e lenhosos para identificar a galha da coroa como a causa. Os sintomas em árvores de damasco mais velhas podem ser tolerados até que as árvores sucumbam à doença e estejam sujeitas à remoção. As árvores mais jovens podem ser removidas mais cedo para começar do zero com árvores saudáveis. Nota: Crown Gall não é a única coisa que pode causar árvores atrofiadas.

  • Evite ferir a árvore, especialmente na época do plantio, pois os locais da lesão são onde as bactérias da vesícula entram do solo
  • Teste o solo e busque aconselhamento específico sobre a galha de coroa de especialistas locais em horticultura
  • Evite o plantio em áreas previamente contaminadas ou onde pomares infectados com galhas de copa anteriormente cresceram
  • Remova todas as raízes das árvores que foram removidas e afetadas com bílis naquele local ou escolha plantar material vegetal limpo em um local totalmente diferente

  • Entre em contato com a extensão cooperativa do condado local para obter mais conselhos (especialmente em relação a mergulhos / pulverizações preventivas em áreas afetadas conhecidas antes do plantio e as etapas para o plantio de novas árvores em um local anteriormente afetado).

Jacket Rot

Causado por Botrytis cinerea, Monilinia fructicola, Monilinia laxa, e Sclerotinia sclerotiorum - patógenos fúngicos que se espalham por respingos de chuva e favorecem o clima úmido (próximo à época de floração e estágio de jaqueta, quando os restos das partes da flor ainda estão presos à fruta na primavera).

Sintomas: Descoloração marrom na fruta sob a jaqueta da flor. Os frutos novos murcham e caem da árvore. Parece, mas está separado dos danos do inverno em frutas pequenas sensíveis ao frio, que também resultam em frutas pequenas, enrugadas e marrons que caem.

  • Bonide® Captan Fruit & Ornamental

  • Entre em contato com a extensão cooperativa do condado local para obter mais informações

Oídio

Causado por Sphaerotheca pannosa e Podosphaera tridactyla - patógenos fúngicos que afetam frutas e folhagens na primavera e, em seguida, folhagem novamente no verão e no outono.

Sintomas: Molde pulverulento cinza-esbranquiçado ou manchas semelhantes a feltro em botões, folhas jovens e galhos. As folhas podem enrugar e enrolar para cima. As folhas novas podem ser atrofiadas, curtas e de estrutura fina. Novos brotos são atrofiados. À medida que a infecção do fruto progride, a aparência de pó branco passa e manchas marrons a rosa permanecem. As áreas afetadas nas frutas podem endurecer e rachar.

  • Controle o oídio em rosas próximas ou árvores frutíferas (como os pêssegos), pois esta é uma fonte comum de patógenos de oídio durante o inverno e de infecção no início da primavera.

  • Plante árvores de damasco resistentes ao mofo sempre que possível
  • Ameixa seca para manter a copa das árvores aberta à luz e à circulação de ar, o que reduz naturalmente o desenvolvimento da maioria das infecções fúngicas

Causado por: Cladosporium carpophilum - um fungo que favorece o clima úmido e áreas sombreadas e úmidas com má circulação de ar. Overwinters em galhos infectados deixados na árvore ou em árvores próximas do ano anterior.

Sintomas: Manchas aveludadas e verde-oliva se desenvolvem nas folhas novas, que acabam ficando pretas. As folhas afetadas murcham, ondulam e caem. A fruta também se apresenta com manchas na espádua (extremidade do caule) e pode se tornar deformada, nodosa e rachada antes de cair. Assemelha-se, mas é diferente da mancha bacteriana. Observação: os danos são geralmente superficiais nas frutas quando a infecção da crosta não é grave o suficiente para causar deformidade. A fruta ainda é comestível, basta remover a casca e usar para enlatar / congelar ou comer fresca.

  • Remova resíduos de poda e frutas infectadas em todos os momentos para evitar a recontaminação

  • Plante árvores de damasco resistentes à sarna sempre que possível
  • A poda, especialmente no início da primavera, para manter a copa das árvores aberta à luz e à circulação de ar, o que naturalmente reduz a oportunidade para o desenvolvimento da maioria das infecções fúngicas

  • Fungicida Multiuso Bonide® Fung-onil ™

Outros problemas da árvore de damasco

Sem flores ou frutas

Sintomas: Os damascos levam cerca de 2 a 5 anos após o plantio (em média) antes de florescer ou frutificar. Se o tempo suficiente tiver passado e o damasco estiver saudável, há algumas coisas a fazer para ajudá-lo a se tornar frutífero.

  • Certifique-se de que uma variedade polinizadora esteja presente. A maioria das árvores de damasco requer outra variedade diferente de árvore de damasco para ser frutífera.
  • Certifique-se de que a variedade de damasco é recomendada para sua zona. As baixas temperaturas do inverno podem prejudicar os botões das frutas sensíveis, prejudicando o potencial para a produção de frutas.
  • Árvores espaciais distantes o suficiente para ajudar a evitar competição de nutrientes ou luz. O espaço adequado incentiva uma árvore saudável e produtiva. O espaçamento pode ser estimado pela extensão madura da árvore.
  • Ameixa seca para ajudar a manter a madeira frutífera e a madeira vegetal em equilíbrio de modo que não haja muito desenvolvimento de folhas em vez de desenvolvimento de flores em árvores maduras - ou muito desenvolvimento de botões de frutos e folhas insuficientes para "alimentar" os frutos.
  • Conheça o seu solo. As condições do solo e a presença dos nutrientes necessários ajudam a manter as raízes da árvore de damasco fornecendo nutrientes através de seu sistema vascular. Se o solo for pobre ou mal drenado, isso afeta a saúde e a viabilidade da árvore como um todo. Se a árvore está sendo super-fertilizada, especialmente com um fertilizante rico em nitrogênio, ela pode desenvolver um crescimento vegetativo exuberante (folhas e galhos) em vez de desenvolver botões de frutas ou florescer.

  • Resolvendo problemas de floração e produção de árvores frutíferas
  • Entre em contato com a extensão cooperativa do condado local para obter mais informações

Sunscald e Sunburn (escaldante)

As queimaduras ou queimaduras de sol ocorrem durante as estações de cultivo quentes e secas - com ou sem umidade no ar, mas mais comumente quando a umidade é baixa. Bordas marrons e crocantes aparecem nas folhas.

Sintomas: A queimadura solar também é chamada de lesão de inverno ou “lesão do sudoeste”, pois comumente afeta o lado sudoeste dos troncos das árvores durante o inverno. Dias quentes e claros causam a expansão da casca e as noites vários graus mais frias farão com que a casca se contraia, danificando as células e causando rachaduras e rachaduras no tronco.

  • Proteja os troncos antes do inverno com protetores de árvore ou uma solução diluída de água e tinta látex branca (50/50).
  • Regue as novas árvores a cada 7 a 10 dias durante a estação de crescimento (se não chover durante a semana) ou conforme necessário (quando o solo ficar seco ao toque).
  • Durante a estação de crescimento, considere construir um pano de sombra temporário para proteger as árvores do sol em dias quentes e secos. Água conforme necessário (veja acima).

Estresse Hídrico

Sintomas: Pode estar relacionado a excesso de água ou submersão. A rega excessiva comumente se apresenta como folhas verdes claras a amarelas e queda de folhas. Pode enfraquecer uma árvore, causar problemas com o apodrecimento da raiz e, por fim, matar a árvore. Submarino freqüentemente se apresenta como folhas secas - freqüentemente amareladas - descoloridas. A árvore pode parecer murchar de maneira geral e a falta prolongada de água pode matar a árvore.

  • Regue as novas árvores a cada 7 a 10 dias durante a estação de crescimento (se não chover durante a semana) ou conforme necessário (quando o solo ficar seco ao toque).
  • Se plantada em um local onde o solo não drena adequadamente a água após fortes chuvas (causando água parada), mude a árvore o mais rápido possível.
  • Se as condições semelhantes às da seca persistirem, considere a irrigação por gotejamento lento para permitir que a água alcance as raízes em vez de passar pela superfície do solo.

Lesão pelo vento

Sintomas: Pode envolver ferimentos, como árvores inclinadas, árvores arrancadas, quebras, rasgos ou folhagens queimadas pelo vento. Dependendo da gravidade da lesão, uma árvore de damasco pode se recuperar de danos menores ou sucumbir aos danos causados ​​pelo vento. Isso é determinado individualmente e a saúde da árvore antes de ocorrer o dano.

  • Tampe adequadamente o solo ao redor das raízes da árvore (e regue completamente) na hora do plantio para remover bolsas de ar e garantir um bom contato com o solo. Bolsas de ar e solo solto ao redor das raízes podem fazer a árvore balançar facilmente em seu buraco de plantio, deixando-a vulnerável a se inclinar ou ser arrancada.
  • Use estacas de árvore para novas árvores, árvores anãs e árvores plantadas em áreas de vento forte para ajudar a sustentar o crescimento vertical e evitar inclinar, desenraizar e quebrar.
  • Frutas finas seletivamente que podem estar pesando sobre os membros para reduzir o estresse do peso e evitar quebras ou quebras durante o tempo tempestuoso. Esteja ciente: pragas e doenças também podem tirar proveito de áreas quebradas ou rasgadas resultantes se ocorrerem danos.
  • Se a nova folhagem tenra for soprada ou sacudida pelo vento, ela pode parecer descolorida (escura - como uma queimadura ou hematoma). Este crescimento danificado pode ser removido para encorajar um novo crescimento saudável a tomar o seu lugar.


Árvores de Damasco

Ameixa seca: os damascos podem ser divididos em três classes de acordo com seus hábitos de produção de frutas. Em todos os casos, a maioria da fruta nasce em madeira com um ano (crescimento do ano passado). Os frutos podem aparecer nas pontas deste crescimento, na seção central ou na seção inferior. O hábito de frutificação de sua árvore pode ser verificado observando onde os botões mais gordos estão localizados nos galhos com um ano de idade. Os botões mais gordos ou mais cheios são os que produzem flores e indicam onde o fruto será criado. Os botões mais delgados produzirão folhas e crescimento de ramos apenas.

No caso dos botões de frutas serem carregados na seção da ponta, como é encontrado no Real variedades fazem não volte para os ramos de um ano. No caso de os melhores botões de frutas estarem na seção central, o crescimento de um ano pode recuar cerca de um terço. No caso de os botões dos frutos estarem na seção inferior do ramo, a madeira de um ano pode ser retrocedida de metade a dois terços de seu comprimento.

O primeiro tipo se aplica na maioria dos casos.

Spray: Pulverização dormente em dezembro ou janeiro. Usar Óleo para spray o ano todo Master Nursery® Pest Fighter misturado com Monterey Liqui-Cop®. Siga as instruções do rótulo para as quantidades adequadas, geralmente cerca de duas colheres de sopa de Monterey Liqui-Cop® misturado com oito colheres de sopa de Óleo para spray o ano todo Master Nursery® Pest Fighter em um galão de água. Sempre verifique com seu profissional de enfermagem para diagnosticar problemas adequadamente antes de realizar sprays adicionais. NUNCA use sprays de enxofre em damascos.

Observação: Se os sintomas desta doença surgiram no ano passado, pulverize conforme indicado abaixo, além do spray dormente de inverno.

Buraco de tiro aparece como numeroso para muitos pequenos orifícios nas folhas. Os furos variam em tamanho de um décimo sexto a um quarto de polegada de diâmetro. Pulverize depois que as folhas caírem e mais duas vezes antes que os botões cresçam. Usar Monterey Liqui-Cop® ou Bonide® Fung-onil ™.

Podridão parda ou Blossom Blight - (nomes diferentes para a mesma doença.)

A podridão parda é a doença mais comum e séria das flores e frutos de caroço. O primeiro sintoma é o escurecimento e a murcha das flores, que podem aderir aos ramos por muito tempo. Cankers (áreas marrons afundadas geralmente se desenvolvem na base das flores infectadas. Goma pegajosa de cor âmbar escorre da base das flores ou dos cancros. Podar e remover todas as partes doentes. O spray de óleo de horticultura para a estação de dormência e Monterey Liqui- Cop® deve controlar a doença.

Cancro bacteriano, ou gomose bacteriana ou explosão bacteriana (nomes diferentes para a mesma doença) é comum e mortal e causada por Pseudomonas syringae. Durante o outono, inverno e primavera, a casca delgada das árvores jovens pode parecer quase preta e uma goma clara e resinosa emana dos cancros. Em árvores mais velhas, a cola pode sair de muitas áreas da casca e se estender para os pequenos galhos, muitas vezes matando-os. A chuva torrencial espalha a bactéria para botões, galhos e galhos dormentes. As flores infectadas ficam marrons e algumas folhas murcham e os botões das flores podem morrer. Outros ramos podem deixar de produzir folhagem e morrer mais tarde. O melhor tratamento é borrifar toda a árvore com Monterey Liqui-Cop® com quatro colheres de sopa por galão de água enquanto está dormente. Caso contrário, a remoção de madeira e flores infectadas é o único tratamento.

Saneamento: Remova e destrua botões e flores afetados durante a floração. Remova e destrua frutas maduras quando os sintomas aparecem. Em agosto ou setembro, remova e destrua múmias e frutas caídas. Não faça compostagem.

Diluição de Frutas: Veja abaixo-Diluição de Frutas. O desbaste da fruta reduz a disseminação de esporos de podridão marrom entre as frutas.

Poda: Ameixa para permitir uma boa ventilação. Remova galhos infectados, madeira de frutificação infectada e galhos infectados. Não faça compostagem.

Métodos de irrigação: Use a irrigação por bacia ou gotejamento para evitar molhar as flores, folhagens e frutos. (Veja nosso Guia de cuidados com pêssego e nectarina.)

Fertilizar: Usar Master Nursery® Fruit Tree e Vine Food duas vezes por ano, próximo ao Memorial Day e ao Dia do Trabalho. Se você preferir fertilizantes orgânicos, use Gardner & Bloome® Citrus & Fruit Tree Fertilizer duas a três semanas antes. Complemente todos os fertilizantes orgânicos com sulfato de ferro se a árvore tem clorose. Regue todos os fertilizantes imediatamente após a aplicação.

Água: No plantio, construa uma berma de solo na linha de gotejamento da árvore. Conforme a árvore amadurece, estenda a berma até a extensão da linha de gotejamento. Inundar semanalmente durante o primeiro ano e, em seguida, em intervalos de duas a quatro semanas, quando a árvore estiver madura. Se um sistema de gotejamento for usado, coloque mangueiras ao longo da linha de gotejamento da árvore com emissores em centros de 12 a 16 polegadas. Este sistema também precisará ser ajustado conforme a linha de gotejamento se expande. Tanto a irrigação por inundação quanto por gotejamento são preferíveis à irrigação por aspersão, uma vez que reduzem os respingos de água, uma via comum de esporos de fungos. Se sprinklers devem ser usados, ajuste os cabeçotes de forma que eles tenham um ângulo baixo para a água e longe do tronco. Lembre-se de que uma árvore grande e madura pode consumir até 30 litros de água por semana em julho, agosto e setembro. Comece a irrigar sua (s) árvore (s) em meados de maio ou junho.

Diluição de Frutas: Fruto fino quando atinge 2,5 cm de diâmetro. Deixe cinco centímetros entre as frutas. O desbaste é especialmente importante se a árvore estiver infectada pela podridão parda.

Um ponto macio cinza-marrom a preto pode raramente ocorrer na extremidade da flor da fruta da árvore (podridão verde, podridão da flor). Remova qualquer ameixa velha, morta e não lenhosa para se abrir e permitir que mais ar e luz atravessem e destruam todas as folhas e frutos doentes. Pulverizar com Monterey Liqui-Cop®, (três colheres de sopa por galão de água) em intervalos de sete a 14 dias no estágio de botão de flor, no estágio de floração total e na queda das pétalas. Ao podar, certifique-se de destruir toda a madeira afetada. Traga várias amostras de folhas e galhos para o Berçário Wegman para avaliação sempre que esses ou outros sintomas aparecerem.

Adaptado de Ogawa e inglês (1991), Diseases of Temperate Zone Tree Fruit & Nut Crops, UC Extension Publication 3345 e de Flint (1998), Pests of the Garden and Small Farm, 2ª edição, UC Extension Publication 3332.


Resposta de especialista

OK, então parece que o cobre pode ser pulverizado durante a estação de dormência. Enquanto minhas macieiras e cerejeiras estão em folha, tenho usado o "Concentrado para pomar de frutas cítricas, frutas e nozes" natural da Bonide (http://www.bonide.com/products/garden-naturals/view/217/citrus-fruit -and-nut-orchard-spray-concentr.). Enxofre e piretrina são seus ingredientes principais. Você está dizendo que isso é bom em damascos? Se não, algum desses produtos é a melhor opção? http://www.bonide.com/products/insect-and-disease-control/view/201/fruit-tree-spray-concentrate, http://www.bonide.com/products/insect-and-disease- control / view / 2011 / fruit-tree-and-plant-guard Apenas procurando uma orientação um pouco mais específica. então eu não estrago as coisas inadvertidamente. :-)

Não use enxofre em damascos.
Olhando para os diferentes produtos Bonide.
O 'Organic' "Citrus, Fruit & Nut Orchard Spray Concentrate" não deve ser usado em damascos. É o tipo de mistura que os produtores orgânicos certificados precisariam usar.
O mais tradicional "Fruit Tree Spray" é uma mistura de captana, um fungicida, e dois inseticidas malatião e carbaril. São todos pesticidas sintéticos de uso público (rótulos de uso geral). Esta é uma boa mistura para usar em maçãs, pois o captan é um bom material para a crosta de maçã. e os inseticidas funcionam para a maioria das pragas diretas da maçã.
Captan é fraco contra a podridão parda, uma das principais doenças dos frutos de caroço.
O spray "Tree Fruit and Plant Guard" também é uma mistura de um inseticida piretireoidiano e dois fungicidas, o que daria um melhor controle da podridão parda, mas ainda não é o melhor.
Nenhum dos dois últimos deve ser usado durante a floração porque contêm inseticidas que seriam prejudiciais às abelhas. Os fungicidas são recomendados durante a floração se você tiver condições de umidade para controlar a podridão marrom das flores. Portanto, você precisa usar apenas um fungicida e não uma mistura de inseticidas e fungicidas. Um bom material Bonide para usar é o Funginol, antes e durante o florescimento. Este material só é registrado em frutas com caroço e não em maçãs e peras e não pode ser usado após a divisão da casca na fruta. Captan é um bom fungicida para usar em maçãs e peras durante a floração. Captan é fraco em oídio, se isso for um problema para você.
Minhas referências aos produtos Bonide não são um endosso de seus produtos em relação a outras marcas que se concentram em produtos de pesticidas domésticos. Outros fabricantes têm produtos e misturas semelhantes, mas alguns são exclusivos.
Há muito o que aprender sobre o controle de pragas na escolha de frutas e pesticidas. O mesmo produto não pode ser usado o tempo todo. Sinta-se à vontade para entrar em contato comigo diretamente para recomendações específicas sobre o controle de pragas de frutas.


Como cultivar damascos na Nova Zelândia

Certa vez, encontrei um velho amigo que não via desde o colégio. The one reminiscence she shared had nothing to do with me. Instead, "I've always remembered your mum's shelves of preserved apricots," she said.

Jars of preserved apricots have lined some shelves in my mum's kitchen for as long as I can remember. Every January, once the Christmas decorations are packed away, my mum always gets out her preserving unit. It's so ancient that the uninitiated usually approach it with intrigue worthy of a museum artefact and once it's explained that it's used for the annual apricot bottling, they're even more charmed at this thriving cottage industry.

A large box of fresh apricots is procured from a nearby orchard and Agee jars of apricots are filled with pitted apricots, syrup is added (Mum uses three cups water to one cup sugar), lids are screwed on and then the jars have a long, hot soak in the unit.

Year-round, breakfast at my parent's house is a bowl of preserved apricots with muesli and yoghurt and, although I would struggle to get my children to eat this for breakfast at home, this has become one of the familiar comforts of school holiday visits for my children.

WHERE IN NEW ZEALAND CAN I GROW APRICOTS?
Depending on the variety and where they are grown, apricots fruit from December until February.

They tend to be fussy about their conditions preferring winter chill for bud development and warm days for fruit to flourish, which is why they're commercially grown in Hawke's Bay, Nelson and Central Otago.

HOW TO PLANT FOR BEST CROPS
Like most stonefruit, apricots do best when planted in sites with fertile, free-draining full sun and protection from strong wind. It's best to plant them in late autumn or winter while the trees are dormant.

To plant, dig a hole twice as big as the rootball or planter bag, add in compost and some slow-release fertiliser and work the soil over. If you're dealing with a heavy clay soil, incorporate gypsum clay breaker when planting.

Plant your tree, water it, backfill the hole and hammer in two sturdy stakes, one on either side. Tie the tree to the stakes with some flexible ties to allow a little give.

Heather Cole from growing supplies company Country Trading found that the apricot trees grafted onto plum rootstock did much better in her heavy soil than the trees planted onto peach rootstock which languished in the soil before she pulled them out.

Apricot trees should be fed in summer and autumn with sheep pellets and compost to improve soil fertility and drainage, and gypsum to improve friability of clay soils. Fertilise with specifically formulated fruit fertiliser and spray with copper in late winter to kill off any fungal disease.

Prune after harvest in late summer. Apricot trees do best pruned to an "open vase" shape where the central leader (main trunk) is removed, leaving a core structure of four to five evenly spaced branches. Aim to have a mixture of old wood with new growth coming on, as apricots fruit on second-year wood.

BEST VARIETIES FOR HOME ORCHARDS
Different varieties fruit at different times during summer.

* Early varieties fruit between December and January and have low winter chill requirements making them more suitable for warmer, northern areas. These include 'Garden Annie', 'Royal Rosa', 'Katycot, 'Sundrop' and 'Newcastle'.

* Mid-season varieties, which are ready to harvest through January to early February, include 'Robada', 'Moorpark' (superb flavour), 'Tomcot' and 'Cluthagold'. 'Trevatt' and 'Cluthalate' are ripe in late February.

* Dwarf apricot varieties, such as 'Aprigold' and 'Golden Glow', are best planted in colder regions like Otago and Canterbury where there is plenty of winter chill.

Apricots are self-fertile, so you only need to plant one with the exception being 'Sundrop' which does better planted near 'Trevatt'.

HARVESTING YOUR APRICOTS
Apart from eating them straight from the tree, apricots are easy to preserve. A small bruise won't affect taste and hard apricots soften during cooking.

To freeze apricots, slice apricots in half and remove the pit. Drizzle with lemon to discourage discolouration, then place in the freezer for up to three months.

Drying apricots is easy if you have a dehydrator. Heather Cole's method is to pick fruit that is ripe but still slightly firm. Place in a colander, pour boiling water over to wash and soften the skin. Drain well, halve, stone and place in the dehydrator until the fruit is no longer squidgy between your fingers. Heather says these are not as soft as commercially dried apricots but you can rehydrate them before use.


Apricot-Scale

Includes fruit lecanium scale (Parthenolecanium corni)

Pest description and crop damage Adult scales are up to 0.2 inch across, reddish brown and rounded, resembling small helmets or bumps on branches, stems and the underside of leaves. The crawlers are flat, oval, and pinkish brown. Scales are closely related to aphids, mealybugs, and whiteflies. Like these insects, they also have piercing-sucking mouthparts. Large populations of scale can devitalize plants and retard growth. Severe infestations can kill twigs. Large quantities of honeydew are produced that may cause russeting on fruit and growth of sooty mold fungus.

Biology and life history Lecanium scale overwinters as an immature scale on twigs and branches. They resume feeding in the spring, and eggs are laid underneath the scales in May to June. The eggs remain under the scales until hatching in early summer. The young scales, called "crawlers," migrate to the undersides of leaves to feed. Young scales also can be dispersed by wind, rain, irrigation, or by the movement of people and machinery. After 4 to 6 weeks on the leaves, the young return to the stems and twigs to feed, mate, and overwinter. There is one generation per year.

Pest monitoring Overwintering scales can be monitored by collecting spur samples during the dormant season. Presence of honeydew or sooty mold on fruit at harvest indicates need for pest management next season.

Major infestations can be pruned off. Tanglefoot, "stickem," or a similar adhesive can be applied around infestations of adult scales to catch the crawler stage. As with aphids, avoid excessive nitrogen fertilizer or water applications, as this favors increases in the populations. In home orchards, scale can be rubbed off plants by hand with a glove or toothbrush.

Parasitic wasps and lady beetles play an important role in suppressing scale insects.

The best time to control scale insects is during the delayed-dormant period. These applications target and smother the non-motile overwintering adult and egg stages. If spring and summer scale control is required, apply during the crawler period (June).

Management-chemical control: HOME USE

Use enough spray to cover the entire tree thoroughly including small limbs and shoots. Apply only during dormant or delayed-dormant period.

  • horticultural mineral oil-Some formulations are OMRI-listed for organic use.

  • acetamiprid
  • azadirachtin (neem oil)-Some formulations are OMRI-listed for organic use.
  • carbaryl
  • gamma-cyhalothrin
  • horticultural mineral oil-Some formulations OMRI-listed for organic use.
  • insecticidal soap-Some formulations are OMRI-listed for organic use.
  • lambda-cyhalothrin
  • malathion
  • plant-derived essential oils-Some have shown efficacy against scale. Some formulations are OMRI-listed for organic use.
  • pyrethrins-Some formulations are OMRI-listed for organic use.
  • spinosad-Some formulations may be OMRI-listed as organic.
  • zeta-cypermethrin

Management-chemical control: COMMERCIAL USE

Dormant to delayed-dormant spray

  • diazinon (Diazinon 50W) at 4 lb/a + horticultural mineral oil (rates vary check product label). REI 4 days. Diazinon is limited to one dormant season application per season regardless of target pest.
  • horticultural mineral oil (rates vary check product label)-REI varies check product label. Horticultural oils at this timing are sufficient to control light to moderate populations of scale. Some formulations are OMRI-listed for organic use.
  • pyriproxyfen (Esteem 35WP) at 4 to 5 oz/a + horticultural mineral oil (rates vary check product label). REI 12 hr. Esteem is an insect growth regulator with good activity toward the scale egg stage.

  • diazinon (Diazinon 50W) at 1 lb/100 gal water (4 lb/a). PHI 21 days. REI 4 days. Diazinon is limited to one in-season application per season regardless of target pest.
  • pyriproxyfen (Esteem 35WP) at 4 to 5 oz/a. PHI 14 days. REI 12 hr. Esteem is an insect growth regulator.


Fruit tree pest management

Homeowners often look at pest management as the most difficult aspect of raising fruit crops. Most people either lack the knowledge to identify and control insect pests and diseases, or they dread having to spray chemicals to protect their crops. Homeowners and tree fruit producers should try to raise their crops sustainably. Sustainable gardening is a process that thrives with minimal inputs of water, fertilizer, pesticides and labor. Raising fruit crops with fewer inputs is possible when your knowledge level of subject material is high.

Know what insects and diseases are most likely to occur in your area.

The first step to sustainable pest control is to know what insects and diseases are most likely to occur in your area. In each area of the country, certain diseases and pests tend to dominate depending on climate and other regional influences. In western Oregon, fungal diseases thrive because of our wet, mild winters and spring. Oregon residents should look at our guide for diseases and pests, which is also posted at this web site. This guide shows what pests to expect for each fruit type and the time of the year the pest can be expected.

Another step to take toward sustainability is to have healthy soil with the proper pH, good drainage, and adequate fertility. What do these have to do with pest management? The soil and these other factors contribute to the health of your tree. If your tree is healthy, it will tolerate disease and pest problems to a greater degree than an unhealthy tree.

Pest control is easier when a tree is planted in the right place for light and drainage. Select a variety resistant to common diseases in your part of the country. Choosing an apple scab resistant variety of apple, such as Liberty, allows a homeowner in western Oregon to ignore this troublesome disease.

Distinguish the good guys from the bad guys.

Learn which insects are the good guys and which are the bad guys. This will reduce your anxiety when you see bugs in your trees.

Learn the level at which bad guys become a problem. Pheromone traps monitor codling moth, leaf rollers or fruit flies. Use one to two traps per acre to monitor these pests. Most traps have a sticky substance that catches the insect. These traps monitor the level of insect infestation in your trees. For example, when five codling moths are trapped in any one week in late May, it is time to apply your control. By timing your sprays, you will use significantly less pesticide than old spray systems that encouraged people to spray every two weeks. I have reduced my scab and codling moth sprays from five to six sprays per season to two well-timed sprays. Traps can be purchased from farm supply stores.

Dormant sprays help control pests.

Many pests can be controlled with dormant sprays. These sprays are usually made in the fall around Thanksgiving, in mid-January, and again when fruit buds begin to swell but are not yet open. Dormant sprays usually mix a fungicide like copper with dormant oil, or sulfur alone. Dormant oil smother insects or insect eggs on bark or around buds. The fungicide is ridding the tree of fungal spores. For specifics about fruit trees and pests, see our posted spray guides.

Homeowners who want sustainable or organic standards should use cultural steps before sprays. For example, when controlling apple scab, plant a resistant variety of apple. such as Liberty. We also recommend cleaning up old leaves and fruit from around the tree in the fall. Mowing and spreading compost around your tree is usually enough to cause the leaves to decompose. This reduces the amount of disease inoculum when the tree starts growing in the spring. Pruning your trees to provide plenty of sunlight and air movement through the canopy helps reduce fungal disease problems. For every disease and many insect pests, cultural steps and orchard sprays make control more effective.

Clean up old leaves and fruit from around the tree in the fall.

For the safety of homeowners and neighbors, use the least toxic or organic materials for spraying. Look for specific recommendations in our spray guide. For fungal disease control, use any of the following products: sulfur, copper, wettable sulfur, stylet oil, or potassium bicarbonate as low impact materials. For insect control use: Kaolin clay, spinosad product Entrust, Cyd-X (a virus that kills codling moth), horticultural oil, and microbials like Dipel or Javelin. All these products have been formulated for organic growers. When using pesticides, even organic ones, always read the labels and wear personal protective equipment. At a minimum wear long pants, long sleeve shirts, waterproof shoes, waterproof gloves and a hat. I always use full rain gear, boots, gloves, eye protection and a simple respirator.


Assista o vídeo: Pessegueiro, Hora de Colher veja os cuidados especiais com Sergio Semerjdian


Artigo Anterior

Tremoço como adubo verde: uma maneira rápida e bonita de melhorar a composição do solo

Próximo Artigo

Usando folhas doentes em composto: Posso compostar folhas de plantas doentes