Angelica officinalis


Angelica officinalis (Angelica archangelica) também é popularmente chamada de angelica officinalis, é uma erva que pertence à família Umbrella. Pela primeira vez, a grama foi encontrada na parte norte da Eurásia. As espécies cultivadas de angélica são cultivadas como planta medicinal ou ornamental. Além de angelica, em diferentes países você pode ouvir nomes como lobo ou cachimbo do prado, podryanka, piper ou angelica. Os europeus batizaram a grama angelica. Na Europa, a planta começou a se espalhar no início do século XV. Em condições naturais, a angélica é encontrada principalmente na zona da floresta ou cresce ao longo da costa.

Descrição de Angelica officinalis

Angelica officinalis é uma erva ereta bienal. Os pedúnculos exalam um aroma forte. Primeiro, uma roseta basal é formada e depois de um ano os caules crescem. As raízes são castanhas, encurtadas. O sistema radicular está bem desenvolvido. Com o tempo, o rizoma é coberto por muitas raízes laterais. A polpa contém um suco branco com um tom amarelo. A altura dos rebentos é por vezes de cerca de 2,5 m. Os caules são grossos e tubulares, ramificam-se na copa e formam inflorescências.

As lâminas das folhas são pinadas e grandes, com segmentos trilobados ou biflobados. As folhas perto das raízes são largas e triangulares, enquanto os caules parecem um pouco menores. No final dos rebentos ocos, forma-se uma inflorescência umbelada esférica. Seu diâmetro chega às vezes a 15 cm.Os pedúnculos são viçosos e consistem em pequenas flores pálidas, pintadas em um tom verde-amarelo. Cada flor é formada por 5 pétalas. No final do período de floração, fica um fruto amarelo ou verde claro que parece uma elipse. As flores desabrocham no início do verão. O amadurecimento das duas sementes ocorre de julho a setembro.

Cultivando angelica no jardim

Semeando sementes

O local ideal para o cultivo de Angelica officinalis é considerado uma área iluminada com solo úmido fértil. Antes de iniciar a semeadura, o solo é escavado e fertilizantes orgânicos são aplicados. A semeadura é realizada no final do outono, para que no inverno as sementes tenham tempo de se estratificar e ficar mais fortes. Eles estão uniformemente distribuídos pela superfície do local e levemente polvilhados com terra. A taxa de germinação ao cultivar angélica a partir de sementes é baixa, portanto, as colheitas podem ficar mais espessas. Não é necessário organizar abrigo adicional antes do inverno para a área onde a semeadura foi realizada.

No caso da semeadura na primavera, as sementes são armazenadas por vários meses em local fresco, colocadas em recipientes de madeira com areia úmida. A semente é fraca e muitas vezes morre, então na primavera será possível obter uma pequena quantidade de brotos verdes.

Angélica cuidado

Plantar e cuidar da angélica não é particularmente difícil. Depois que os primeiros brotos verdes são formados, a área onde a angélica é cultivada deve ser coberta com musgo. A planta é despretensiosa e se desenvolve bem se os requisitos mínimos forem atendidos. Durante a seca, as mudas são regadas, o solo é solto e fertilizado com compostos minerais algumas vezes ao longo do ano.

Armazenamento e coleta

A raiz da angélica é considerada uma cura. É nele que se encontram as substâncias mais úteis, mas também se aproveitam as sementes e as folhas. A colheita das raízes dos brotos do primeiro ano de vida é feita no outono, e dos brotos bienais - na primavera. As raízes são cuidadosamente desenterradas, sacudidas do chão e bem lavadas. Não é recomendado o uso de rizomas fortemente danificados por roedores ou insetos.

As raízes descascadas e lavadas são secas ao ar livre ou em local bem ventilado, estendendo-se sobre uma folha de papel ou grelha em camada fina. É permitida a secagem da matéria-prima na estufa, mantendo a temperatura baixa. É melhor colher as folhas durante o período de floração. As raízes e folhas secas são armazenadas em caixas.

A Angelica officinalis consegue manter as suas propriedades medicinais durante dois anos.

Tipos e variedades de angélica com foto

No total, existem 3 subespécies cultivadas de angelica: Archangelica, Norvegica e Litoralis. Na Europa, as variedades mais comuns de angélica são chamadas de Jizerka e Budakalaszi. Nossos criadores não participam do cultivo dessas variedades.

Doenças e pragas da angélica

Às vezes, essa bienal herbácea é afetada por ferrugem ou oídio. Para prevenir a ocorrência dessas doenças fúngicas, é necessário remover regularmente as ervas daninhas, usar fertilizantes com baixo teor de nitrogênio e observar a rotação de culturas. Não é recomendado o tratamento de mudas com produtos químicos, caso contrário a planta perderá todas as propriedades medicinais, pois as partes vegetativas acumularão substâncias tóxicas.

O perigo dos insetos é o ácaro-aranha. Você pode se livrar das pragas com a ajuda de um caldo de tabaco preparado à base de felpa ou tabaco. Filtre o caldo e deixe fermentar. Para adicionar viscosidade, adicione 3-4 colheres de sopa de sabonete líquido à infusão. Os arbustos doentes e a área ao redor deles são pulverizados.

Propriedades úteis de angelica

Propriedades curativas

As raízes da planta contêm óleos essenciais, ácidos, pectina e taninos. O suco obtido do rizoma é rico em proteínas, gorduras, proteínas, fibras e também tem cheiro de almíscar. Entre outras coisas, os brotos verdes desta bienal contêm vitaminas B, fósforo, ácido ascórbico. O aroma dos caules das flores exala graças ao ambrettolide - uma substância que faz parte do óleo.

Mesmo na antiguidade, a angélica era usada como estimulador circulatório. A planta é capaz de exercer um efeito tônico no sistema cardiovascular, aumentando a resistência do sistema imunológico. O uso de angelica pode acelerar o processo de excreção da bile do corpo humano. Os médicos prescrevem beber infusão de angélica para doenças associadas aos rins, gota e reumatismo. Para dores nas costas, é recomendável esfregar as costas com tintura de álcool de um flautista.

Muitos medicamentos fitoterápicos para o alcoolismo contêm raiz de angélica, que também atua como um diurético eficaz, antiinflamatório e anti-séptico natural. As decocções preparadas com base na raiz da planta são utilizadas para doenças do trato respiratório superior e da coluna lombar, do trato gástrico, infertilidade feminina, cistite, tontura e circulação sanguínea prejudicada.

A erva angélica é frequentemente usada na medicina popular para tratar doenças de pele como psoríase e várias erupções cutâneas. Em cosmetologia e perfumaria, é adicionado para fragrâncias, devido às quais os perfumes e colônias têm um bouquet oriental único. A angélica também é misturada a bebidas alcoólicas e não alcoólicas, portanto, a planta tem um valor especial para a indústria alimentícia.

Até o mel é feito de angélica. A cor é marrom profundo e vermelho-âmbar. A consistência do mel de piper é uma pasta resinosa de grão fino. O mel espesso obtido da angélica é praticamente incapaz de cristalizar, tem um aroma agradável e pronunciado e deixa um gosto prolongado. Esse remédio adocicado contém notas amargas e caramelo.

Raiz de angélica - como a raiz de angélica é útil?

Contra-indicações

Nenhuma contra-indicação séria para o uso de angelica foi encontrada. Só quem deve abrir mão da planta é quem tem intolerância individual às substâncias que constituem as raízes ou folhas. Mulheres grávidas e pacientes com diabetes também não são recomendados para beber decocções de angélica, para não provocar uma reação indesejada.


O mel de angélica é um produto obtido quando as abelhas processam a angélica medicinal (angélica). A angélica medicinal é uma planta útil. Acredita-se que seja capaz de curar a peste e várias doenças infecciosas e virais. As pessoas usavam apenas as raízes da planta, e os topos eram fervidos e usados ​​para borrifar as plantas cultivadas.

A angélica floresce por quase dois meses, período durante o qual as abelhas devem coletar a quantidade máxima de pólen e néctar. Portanto, se o apicultor precisa desse produto, é preciso se preocupar com antecedência em encontrar "pastagens" ricas nessa cultura para insetos.


Composição química e propriedades úteis

As raízes da angélica têm um odor aromático particularmente forte, com um sabor picante, adocicado-amargo. Eles contêm óleo essencial, resinas, ácidos orgânicos (málico, angelical, valeriano, acético), amargo e taninos, açúcares, cera, amido, pectina, caroteno. As frutas contêm até 20% de óleo graxo, na parte aérea - até 28% de proteína, até 19% de proteína, até 6% - gordura, até 24% - fibra, 16% - cinza, 2,6% - cálcio e 1% de fósforo, ácido ascórbico.

O óleo de angélica é geralmente obtido da parte subterrânea da planta, o sabor do óleo é picante, o cheiro é agradável, com um tom almiscarado. O óleo de fruta angélica tem um aroma mais forte.

Angelica officinalis é um amargor aromático típico. Os fármacos a partir dele têm efeitos antiinflamatórios, antiespasmódicos, diuréticos e diaforéticos, tonificam os sistemas cardiovascular e nervoso central, aumentam a secreção e a motilidade do trato gastrointestinal. Externamente, tinturas de álcool são usadas para esfregar gota, reumatismo, radiculite e várias dores musculares.

Durante séculos, foi usado na medicina popular em muitos países do mundo, especialmente no Oriente. Na medicina tibetana, a raiz de angélica é recomendada para doenças ginecológicas e como agente hemostático. Na Índia, frutas e rizomas com raízes são usados ​​como estimulante, expectorante e fixador. Na China - para hemofilia, como analgésico e antiespasmódico para vasoespasmo, cefaleia e dor de dente, como diurético, também é recomendado para resfriados, rinite, varicela, também faz parte das misturas medicamentosas para o tratamento da hanseníase. Na Mongólia, é usado para gripe, tosse e como agente antipirético.

Na medicina tradicional da China, Mongólia e Índia, tem sido usado desde os tempos antigos como meio de normalizar a saúde das mulheres. Angélica tem a capacidade de regular o equilíbrio dos hormônios sexuais femininos e normalizar o ciclo menstrual. Em termos de força do efeito harmonizador no corpo da mulher, esta planta supera muitas preparações farmacêuticas modernas. É por isso que essa planta às vezes é chamada de ginseng feminino.


Angelica officinalis - jardinagem

23 de maio de 2014 Natália

Hoje vamos falar sobre uma planta incomum com o nome romântico angelica (lat. Arhangelica). Angélica, ou angelica, é uma erva bienal da família guarda-chuva, conhecida por suas propriedades medicinais e usos culinários de sucesso. Outra aplicação desta planta é conhecida. Antigamente, os tubos eram feitos com suas hastes, portanto, em fontes medievais, a angélica era frequentemente chamada de flautista.

Esta planta tem o conhecido nome de "angélica" porque nas regiões quentes de onde vem, o início da sua floração caía no dia do Arcanjo Miguel. Não é à toa que na versão latina o nome não soa como um anjo, mas sim como um arcanjo (arhangelica). Pelo menos é o que dizem as lendas.

Angélica tem folhas perfumadas verdes trilobadas muito grandes (até 60 cm) com uma parte inferior mais clara, crescendo em hastes triangulares. Flores amarelas ou verdes, coletadas em inflorescências arredondadas com diâmetro de 7 a 8 cm, aparecem no verão. Os frutos desta planta são elípticos, amarelos pálidos ou quase brancos, com duas sementes, até 9 mm de comprimento. As flores da angélica, coletadas em inflorescências umbeladas, como as folhas, exalam um aroma forte.

Mais de 30 espécies de angélica são conhecidas. Angelica officinalis (A archangelica) é usada como planta medicinal. A angélica é usada como planta aromática e medicinal, mas também é cultivada para fins decorativos - por causa de suas flores graciosas.

Crescente

Para um melhor crescimento, a angélica precisa de solo fresco, bem drenado e úmido, rico em matéria orgânica. Esta planta pode se desenvolver em solos com acidez de 4,5 a 7. Ao preparar a mistura para o envasamento, é necessário adicionar o máximo de matéria orgânica possível para que a planta possa utilizá-la em abundância para o seu desenvolvimento. Uma camada espessa (5-6 cm) de material de drenagem - argila expandida ou fragmentos de argila devem ser colocados no fundo do vaso espaçoso.

Localização

Angélica gosta de boa iluminação, por isso pode ser colocada sob luz forte ou sombra parcial leve.

Temperatura

Angélica está bem adaptada ao clima severo, pois cresce em estado selvagem nas montanhas, a uma altitude de 3.000 m acima do nível do mar.

Rega

O solo deve ser mantido úmido. A planta precisa de rega regular, especialmente durante a estação de crescimento.

Transferir

Angélica não precisa de um transplante. Você só precisa garantir que a planta tenha espaço suficiente para o desenvolvimento.

Reprodução

A angélica se propaga por sementes, mas deve-se ter em mente que o período de germinação das sementes é muito curto. Esta planta atinge um tamanho significativo e tem um sistema radicular forte, por isso deve ser cultivada em recipientes grandes.

Coleta e armazenamento

Angélica usa todas as partes da planta: as raízes devem ser colhidas no início do outono, as sementes obtidas das inflorescências umbeladas durante a floração, os caules podem ser colhidos no verão e as folhas - no final da primavera, antes do início da floração. As raízes e os frutos são secos ao sol: as raízes são bem armazenadas em sacos de linho e os frutos em potes de vidro. As folhas são secas em local fresco e ventilado, sendo melhor guardá-las em sacos de linho.

Doenças e pragas

Esta planta quase não sofre de pragas e doenças fúngicas. No entanto, como muitas outras plantas herbáceas, a angélica é prejudicada por lepidópteros que comem suas folhas. Eles podem ser tratados usando os inseticidas mais simples à base de piretro, que devem ser pulverizados na planta à noite.

VÍDEO: Angelica officinalis


Como a angelica é útil? (grama anjo, angélica, angélica)

Este artigo é dedicado a uma planta muito interessante da família guarda-chuva. É sobre um angelical. Esta planta também é conhecida como "angelica" ou "angelica". E muitos amantes das plantas a chamam de "a grama dos anjos".

Angélica não é apenas uma planta ornamental, mas também medicinal. Mas, infelizmente, nem sempre é possível encontrá-lo em chalés de verão.

Angélica na arte paisagística

Se decidir complementar a paisagem do seu jardim com esta planta maravilhosa, preste atenção às seguintes características.

• a altura pode chegar a 2,5 metros. Portanto, ele pode ser escolhido ao planejar as composições da paisagem mais altas.

• a planta tem lindas folhas esculpidas e cúpulas exuberantes de inflorescências abertas. Graças a esse recurso, as composições de paisagem parecem mais ricas e chiques.

• as inflorescências podem ser brancas, amareladas ou esverdeadas.
Graças a isso, as plantas de vários tons parecem agradáveis ​​com a angélica.

• a planta é despretensiosa. E esse fato é muito agradável para a maioria dos jardineiros.

A propósito, às vezes a angélica é plantada especialmente em locais pouco visitados do jardim.Graças a isso, a área suburbana parece mais bonita e notável.

Angélica na cozinha

Esta bela erva pode ser usada em uma grande variedade de pratos. Por exemplo, folhas e caules picados podem complementar perfeitamente okroshki, botvinias, saladas e vários pratos de vegetais.

A angélica também pode ser usada para decapagem e salga. O óleo essencial é às vezes usado para dar sabor a bebidas e confeitaria.

Angélica em medicina

Observação! Angélica é uma planta muito útil.

Em primeiro lugar, tem um efeito benéfico no sistema imunológico. Além disso, a angélica é um bom analgésico, tônico e agente antiinflamatório. Angélica ou angelica chinesa também faz parte da droga - "Angelica forte".

As raízes são mais comumente usadas para fins medicinais. No entanto, todas as peças contêm óleo essencial, cujas propriedades benéficas merecem grande atenção.

10 propriedades benéficas do óleo de angélica:


Propriedades úteis do mel de angélica, recursos do aplicativo, contra-indicações

Existem muitas variedades de variedades de mel natural: trigo sarraceno, tília, taiga, akura, castanha, acácia, etc. O nome da espécie vem do nome de uma planta específica, de cujas flores as abelhas coletavam néctar e pólen. Existem também variedades mistas de ervas. Qualquer produto apícola tem um sabor doce e é saudável. Muitas variedades são muito raras, devido às peculiaridades do crescimento de uma ou outra planta de mel. Eles incluem mel angelica de Altai.

O conceito de mel de angélica e suas características

O mel da angélica é um produto apícola produzido pelas abelhas ao coletar pólen e néctar das flores da planta angélica. Vale a pena dar uma descrição desta planta de mel.

Angélica (ou angelica) pertence à família das plantas herbáceas umbellate. A pátria de seu crescimento é considerada o norte da Eurásia. Hoje, esta excelente planta de mel está difundida na Europa e na Sibéria Ocidental. Ama habitats úmidos. Angélica recebeu esse nome devido às suas propriedades medicinais da palavra "angelica", que significa "forte, saudável".

É usado como ornamental, especiaria e medicamento. Esta erva tem uma haste alta, grossa, nua e oca dentro de um único caule, que é pontilhada com folhas grandes na parte inferior e ramos no topo. A nova planta floresce apenas no segundo ano. As inflorescências da angélica são grandes umbellate, têm a forma de uma bola, atingindo um diâmetro de 15 cm. Formadas de 20-40 raios, nas extremidades dos quais estão hastes de flores, salpicadas de pequenas flores imperceptíveis amareladas-esverdeadas.

Uma média de 160 mg de açúcar é liberada de um guarda-chuva. A angélica floresce em junho-agosto. É durante esse período que as abelhas polinizam a angélica, coletam seu pólen em suas colméias e produzem mel verdadeiro a partir dessa planta.

O mel de angélica tem uma cor peculiar de marrom escuro a vermelho. A tonalidade da foto pode parecer um pouco esverdeada. Em termos de sabor, o produto Altai também é incomum: um pouco amargo com um gosto residual de caramelo. Possui um aroma rico e agradável de néctar de abelha. Durante o armazenamento, torna-se açúcar muito lentamente, o que não se pode dizer de outras variedades. Ele pode mudar sua consistência original e se tornar pegajoso. Ao escolher, é importante distinguir um produto real de um falso.

Qual é a utilidade do mel angelica?

Os benefícios e propriedades curativas de qualquer produto são explicados por sua rica composição. Tal como acontece com outros tipos de mel, a angélica contém grandes quantidades de carboidratos. Sua concentração é igual a 75-80% da massa total. Essas substâncias são representadas por frutose e glicose. O resto são vitaminas, minerais, ácidos, água e outros componentes. As propriedades benéficas do mel de angélica são baseadas em um conteúdo tão valioso e variado.

Consumir mel de angélica na comida ajuda a fortalecer o sistema imunológico e a restaurar a força após a cirurgia, doenças graves e estresse físico e mental. É uma fonte de energia para um corpo debilitado e o primeiro remédio para a prevenção de doenças no período de frio. Fortalece a capacidade do corpo de resistir a muitas infecções virais, bem como ao estresse.

O mel de angélica tem um efeito positivo no funcionamento do sistema cardiovascular, nos rins e no fígado. Melhora os processos digestivos do corpo e da microflora intestinal. O consumo do mel de angélica é de grande importância para as mulheres, pois auxilia no diagnóstico de infertilidade e outros problemas do aparelho geniturinário.

Devido ao fato de que o mel tem um efeito estimulante, regenerador, fortalecedor e normalizador na maioria dos órgãos e sistemas do corpo humano, ele é amplamente utilizado em cosmetologia, medicina popular e culinária. Ele pode ser usado tanto internamente quanto como agente externo. Este produto apícola combina bem com outros ingredientes em receitas e produtos curativos.

Indicações de uso

O mel de angélica é recomendado para ser consumido não apenas por certas indicações, mas a qualquer momento além do produto principal ou bebida. O uso sistemático de iguarias em quantidades que não excedam a norma diária ajuda a manter o funcionamento normal do corpo humano.

No entanto, existem indicações especiais para o uso do produto:

  • doenças do sistema circulatório e dos vasos sanguíneos: aterosclerose, pressão alta ou baixa
  • problemas cardíacos: doença arterial coronariana, alterações distróficas no miocárdio
  • doenças gastrointestinais: úlcera péptica, prisão de ventre, inflamação, colite, enterite, etc.
  • função renal prejudicada: cistite, urolitíase
  • doenças do aparelho respiratório: amigdalite, asma, bronquite, pneumonia, faringite, laringite
  • infecções virais: gripe, resfriados, infecções respiratórias agudas
  • problemas de fígado e vesícula biliar
  • complicações dentais: estomatite, gengivite
  • intoxicação alimentar ou química
  • subdesenvolvimento das crianças, bem como seu retardo de crescimento
  • problemas de memória em crianças e adultos, incluindo idosos
  • doenças do aparelho reprodutor feminino
  • distúrbios nervosos
  • imunidade enfraquecida.

Com essas doenças, o produto apícola é usado como um agente terapêutico auxiliar como parte de uma terapia complexa. Se você tiver dúvidas sobre a sua admissão, deve consultar um especialista.

O mel é benéfico para mulheres e homens. Ajuda a restaurar o ciclo menstrual perturbado, trata doenças do sistema geniturinário e melhora a potência.

Qual a forma correta de usar esse mel?

Ao usar o mel no interior, deve-se controlar uma dose única e o número de doses por dia. Comer em excesso traz consequências adversas, portanto, é preciso levar em consideração a quantidade de mel ingerido em sua forma pura, bem como em vários pratos, bebidas, tinturas e misturas.

Utilizando o produto como sobremesa e adoçante, recomenda-se ingerir, no máximo, 4 colheres de sopa por dia em sua forma pura. Se os medicamentos forem feitos à base de mel, devem ser observadas as proporções indicadas na receita e as composições utilizadas estritamente de acordo com as instruções.

Em caso de doenças do trato respiratório superior, o mel é ingerido tanto por via oral quanto para gargarejo. Ajuda a reduzir a inflamação e matar os germes. O enxágue com uma solução à base de mel também é usado para lesões dentais da cavidade oral. Para ingestão, é eficaz misturar o produto apícola com suco de aloe vera. Um método eficaz é a imposição de emplastros de mel e mostarda queimando na região do peito na frente e por trás.

De manhã, com o estômago vazio, bebem um copo de água com um produto de mel diluído para melhorar o funcionamento dos órgãos internos: coração, fígado, estômago e intestinos. À noite, o mel é usado para eliminar a insônia e a ansiedade.

O mel de angélica pode ser utilizado para fazer máscaras para cabelo e rosto, às quais se acrescentam outros componentes: gelatina, gema de ovo, gengibre, calêndula, canela, frutas frescas, etc. Aliviam vários tipos de erupções, melhoram o estado da pele, torná-lo bonito e elástico. Os envoltórios de mel de angélica ajudam a combater a celulite e a obter um corpo esguio.

É permitido o uso de mel de angélica para crianças, durante a gravidez e a lactação?

Quanto ao uso do mel de angélica na alimentação de crianças e gestantes, vale a pena comparar os benefícios esperados com o risco potencial. O corpo da criança é muito sensível ao aparecimento de um novo produto na dieta, principalmente em idade precoce. Apesar de o mel ser recomendado para violar o crescimento e desenvolvimento infantil, vale a pena dar um produto apícola com cautela, passando a incluí-lo na dieta em pequenas doses. Assim, é possível monitorar e avaliar a reação do organismo.

Quando os efeitos colaterais aparecem, você deve parar imediatamente de tomá-lo e consultar um médico. Se a criança tolerar bem o produto apícola e, além disso, observar o resultado positivo esperado, a dose deve ser aumentada gradativamente, mas não ultrapassando a diária. Para crianças em idade pré-escolar, é 1 colher de sopa. l., para 6-9 anos de idade - 1,5 colheres de sopa. l., com mais de 9 anos - até 3 colheres de sopa. eu.

Mulheres grávidas e lactantes devem observar a mesma dosagem e agir com base na relação "benefício-dano". No ventre da futura mãe há um organismo em crescimento que se alimenta de tudo o que a mulher usa. Durante a lactação, o mel é passado para o bebê através do leite materno. O uso cuidadoso e controlado desse tipo de mel não é contra-indicado, além disso, a lactação melhora nas nutrizes.

Contra-indicações e possíveis danos

A única contra-indicação ao uso do mel é a reação alérgica e a intolerância individual. Algumas categorias de adultos, crianças, gestantes e lactantes devem usar o mel com cautela, mas isso está mais relacionado não a contra-indicações, mas a restrições. Isso também inclui pessoas que sofrem de diabetes mellitus e excesso de peso. O mel de angélica pode ser prejudicial em decorrência do consumo descontrolado em grandes quantidades que excedem a quantidade recomendada. Antes de adicionar mel de angélica à sua dieta diária, verifique a reação aos seus componentes após a primeira ingestão.


Assista o vídeo: Great Angelica: Edible, Medicinal, Cautions u0026 Other Uses


Artigo Anterior

As principais doenças das framboesas - luta, tratamento e prevenção

Próximo Artigo

7 plantas para fazer um delicioso licor